Saiu na mídia:

Ator Portugues

Ator português luta pela vida após injeções de testosterona; saiba riscos...

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0303720717301521?via%3Dihub

Artigos de acesso livre:

Palestra:

Os efeitos colaterais do uso de esteroides anabolizantes e similares realmente ocorrem?

Dr. Clayton Macedo, MD, PhD

Título:

Diagnosis and Management of Anabolic Androgenic Steroid Use 2019

Avaliação dos Fatores que Expliquem a Estratégia e Metodologia de Treinamento como Relacionados ao Comportamento Potencial de Doping na Natação de Alto Nível.

Bradley D. Anawalt. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, Volume 104, Issue 7, July 2019, Pages 2490–2500, https://doi.org/10.1210/jc.2018-01882

Fonte: https://academic.oup.com/jcem/article/104/7/2490/5310131?searchresult=1 

Context: The lifetime prevalence of anabolic androgenic steroid (AAS) use is estimated at 1% to 5% worldwide. AAS use occurs primarily male elite athletes and men who want a muscular appearance. The evidence for effective, safe management of AAS cessation and withdrawal is weak.

Design: Key studies were extracted from PubMed (1990–2018) and Google Scholar with reference searches from relevant retrieved articles.
Results: The proven adverse effects of AASs include suppression of the gonadal axis and infertility, hirsutism and defeminization in women, and erythrocytosis. Alkylated AASs that are taken orally may cause hepatopathy. There is an association between high-dosage AAS use and increased risk of cardiovascular disease. Clues for AAS use include very low serum high-density cholesterol and sex hormone–binding globulin concentrations and unexplained erythrocytosis. For elite athletes, the biological passport (monitoring of blood or urinary androgen and androgen precursor concentrations after determining the athlete’s baseline) is useful for detecting AAS use. For nonelite athletes, the best method to confirm AAS use is to inquire in a nonjudgmental manner. Cessation of chronic AAS use is associated with a withdrawal syndrome of anxiety and depression.
Conclusions: Men who use AASs <1 year typically recover normal hypothalamic-pituitary-testicular axis function within 1 year after cessation. Men who have infertility due to high-dosage AAS use ≥1 year might benefit from short-term treatment with clomiphene or human chorionic gonadotropin.

Título:

Examination of Factors Explaining Coaching Strategy and Training Methodology as Correlates of Potential Doping Behavior in High-Level Swimming.

Avaliação dos Fatores que Expliquem a Estratégia e Metodologia de Treinamento como Relacionados ao Comportamento Potencial de Doping na Natação de Alto Nível.

Liposek S, Zenic N, Saavedra JM, et al. Journal of Sports Science & Medicine. 2018;17(1):82-91.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5844212/pdf/jssm-17-82.pdf

Resumo: Embora o coaching seja considerado um importante determinante do potencial comportamento para doping dos atletas, há uma evidente falta de estudos que examinaram a metodologia de coaching em relação ao comportamento de risco potencial de doping. O maior risco foi encontrado em homens. Os nadadores que alcançaram melhor resultado competitivo foram menos propensos ao uso de doping. Risco positivo foi evidenciado naqueles nadadores que perceberam que seu treinamento era monótono e carecia de diversidade e que estavam envolvidos em treinamento que era principalmente orientado para o volume A menor probabilidade foi encontrada naqueles que responderam que a técnica é praticada com frequência, aqueles que responderam que o treinador regularmente prestou atenção para explicar os objetivos de treinamento  e que o técnico frequentemente revisava e discutia a qualidade da execução de tarefas específicas. As descobertas sobre as relações entre as variáveis ​​estudadas e risco potencial de doping devem ser incorporadas aos esforços antidoping na natação.

Título:

Children’s First Experience of Taking Anabolic-Androgenic Steroids can Occur before Their 10th Birthday: A Systematic Review Identifying 9 Factors That Predicted Doping among Young People.

A primeira experiência infantil de tomar esteróides anabólicos androgênicos pode ocorrer antes de seu décimo aniversário: uma revisão sistemática identificando 9 fatores que previam o doping entre jovens.  

Nicholls AR, Cope E, Bailey R, et al.  Frontiers in Psychology. 2017;8:1015. doi:10.3389/fpsyg.2017.01015.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5476735/pdf/fpsyg-08-01015.pdf

Resumo: Tomar medicamentos para melhorar o desempenho e aparência pode causar consequências graves e irreversíveis para a saúde, o que pode levar à morte prematura. Alguns jovens podem tomar esteroides e simlares sem compreender plenamente as consequências de suas ações ou com base no conselho de outras pessoas. O objetivo desta revisão sistemática foi identificar os principais fatores que prediziam o doping entre os jovens. Nove fatores previram o doping entre os jovens: gênero; era; participação esportiva; tipo de esporte; variáveis ​​psicológicas; companhias; etnia; suplementos nutricionais; e comportamentos prejudiciais à saúde. Em relação às variáveis ​​psicológicas, 22 aspectos diferentes foram associados ao doping entre jovens. Alguns aspectos psicológicos foram negativamente associados com o doping (por exemplo, auto-estima, resistência à pressão social e esforços perfeccionistas), enquanto outros estavam positivamente associados ao doping (por exemplo, risco de suicídio, arrependimento antecipado e agressão). Os formuladores de políticas e as Organizações Nacionais Antidopagem poderiam usar essas descobertas para ajudar a identificar os atletas que correm mais risco de doping e, então, expor essas pessoas à educação antidoping. Com base nos resultados atuais, parece também que os programas de educação devem começar no início da adolescência ou até mesmo no final da infância, devido à pouca idade em que alguns indivíduos começam a dopar.

Título:

Structural Brain Imaging of Long-Term Anabolic-Androgenic Steroid Users and Nonusing Weightlifters.

Imagem Estrutural do Cérebro de Usuários de Esteróides Anabólicos Androgênicos de Longo Prazo e Halterofilistas não usuários.

Bjørnebekk AWalhovd KBJørstad MLDue-Tønnessen PHullstein IRFjell AMBiol Psychiatry. 2017;82(4):294-302. doi: 10.1016/j.biopsych.2016.06.017.

Fonte:https://www.biologicalpsychiatryjournal.com/article/S0006-3223(16)32529-X/pdf

Resumo: O uso prolongado de esteróides anabólicos androgênicos anabolizantes (EAA) tem sido associado a sintomas psiquiátricos e déficits cognitivos. O objetivo deste estudo é investigar a associação entre a exposição a longo prazo de AAS e morfometria cerebral, incluindo volumes neuroanatômicos subcorticais e espessura cortical regional. Esta investigação sistemática em larga escala do uso de EAA na estrutura do cérebro mostra correlações negativas entre o uso de EAA e o volume cerebral e a espessura cortical. Embora os achados sejam correlacionais, eles podem servir para aumentar a preocupação sobre as consequências a longo prazo do uso de EAAs sobre as características estruturais do cérebro .

Título:

Adverse Health Consequences of Performance-Enhancing Drugs: An Endocrine Society Scientific Statement.

Conseqüências adversas para a saúde de drogas que melhoram o desempenho: uma declaração científica da Sociedade de Endocrinologia Americana.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4026349/?report=printable

Resumo: Apesar da alta prevalência do uso de esteroides anabolizantes e similares (EAS), a atenção da mídia tem se concentrado quase inteiramente no uso  por atletas de elite para ganhar ilicitamente uma vantagem competitiva nos esportes, e não nos riscos à saúde. Existe uma percepção errônea generalizada de que o uso é seguro ou que os efeitos adversos são gerenciáveis. Esse posicionamento científico sintetiza informações disponíveis sobre as conseqüências médicas do uso de EAS, identifica lacunas no conhecimento e visa concentrar a atenção da comunidade médica e os formuladores de políticas sobre o uso como um importante problema de saúde pública. Os usuários freqüentemente consomem doses altamente suprafisiológicas, combinam com outros EAS e / ou outras drogas clássicas de abuso e apresentam fatores de risco adicionais associados. O uso tem sido associado a um risco aumentado de morte e a uma ampla variedade de distúrbios cardiovasculares, psiquiátricos, metabólicos, endócrinos, neurológicos, infecciosos, hepáticos, renais e musculoesqueléticos. Precisamos conscientizar o público sobre as graves conseqüências para a saúde dos EAS.

Título:

Hepatotoxicity associated with illicit use of anabolic androgenic steroids in doping.

Hepatotoxicidade associada com o uso ilícito de esteroides anabolizantes no doping.

Solimini RRotolo MCMastrobattista LMortali CMinutillo APichini SPacifici RPalmi IEur Rev Med Pharmacol Sci. 2017;21(1 Suppl):7-16.

Fonte:https://www.europeanreview.org/wp/wp-content/uploads/7-16-Hepatotoxicity-associated-with-illicit-use-of-anabolic-androgenic-steroids-in-doping.pdf

Resumo: O abuso e uso indevido de esteroides androgênicos anabolizantes (AAS) é hoje hábito envolvendo atletas profissionais ou recreativos, bem como a população em geral. Os AAS também estão frequentemente presentes em suplementos dietéticos de venda livre sem serem declarados na lista de ingredientes, deixando os consumidores inconscientes dos riscos de efeitos adversos. De fato, os riscos à saúde do consumo de AAS em preparações farmacêuticas ou suplementos dietéticos parecem ainda subestimados e subnotificados. A variedade de complicações decorrentes do uso indevido de EAs envolve os sistemas cardiovascular, nervoso central, musculoesquelético e geniturinário de homens e mulheres; efeitos psiquiátricos e comportamentais, danos ao sistema metabólico, pele e principalmente fígado. Por exemplo, preocupação relevante foi levantada pela hepatotoxicidade do AAS, incluindo adenoma, carcinoma hepatocelular, colestase e peliose hepática.

Título:

Exploring the link between anabolic-androgenic steroids abuse for performance improvement and hepatocellular carcinoma: a literature review.

Explorando a relação entre hepatocarcinoma e o abuso de esteroides anabolizantes para otimização da aptidão física: uma revisão de literatura .

Fonte: http://brazilianjournalofoncology.com.br/wp-content/uploads/2018/04/E-175_corrigido-5.pdf

Resumo: As evidências relacionando hepatocarcinoma e o abuso de esteroides anabolizantes para otimização da aptidão física são escassas, contudo os dados presentes da literatura sugerem que algum grau de associação é possível. EA devem ser utilizados apenas sob supervisão especializada e a possibilidade de haver uma associação com câncer de fígado reforça a necessidade de políticas públicas para alertar às populações de maior risco sobre os perigos do uso incorreto e sem supervisão de esteroides anabolizantes. 

Título:

Anabolic-androgenic steroid use and psychopathology in athletes. A systematic review

O uso do esteroide androgênico anabolizante e a psicopatologia em atletas. Um resumo sistemático.

Piacentino DKotzalidis GDDel Casale AAromatario MRPomara CGirardi PSani G. Curr Neuropharmacol. 2015 Jan;13(1):101-21. doi: 10.2174/1570159X13666141210222725.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4462035/

Resumo: O uso de anabólicos esteróides androgênicos (EAS) por atletas profissionais e recreacionais está aumentando em todo o mundo. As motivações subjacentes são principalmente aprimoramento do desempenho e melhoria da imagem corporal. O abuso e dependência, que são especificamente classificados e codificados pelo DSM-5, não são incomuns. Os atletas que utilizam EAS estão freqüentemente presentes com sintomas e distúrbios psiquiátricos, principalmente somatoformes e transtornos relacionados à esquizofrenia e transtornos relacionados à esquizofrenia. Alguns distúrbios psiquiátricos são típicos de atletas, como a dismorfia muscular. Isso levanta a questão de saber se o uso de EAS causa esses distúrbios em atletas, determinando mudanças neuroadaptativas no circuito neural de recompensa ou exacerbando a vulnerabilidade ao estresse, ou melhor, estes são atletas com personalidade anormal pré-mórbida ou uma história de distúrbios psiquiátricos que são atraídos pelo uso de EAS. , motivada pelo desejo de melhorar sua aparência e controlar seus pesos. Isso pode predispor a transtornos alimentares, mas os EAS também mostram efeitos desestabilizadores do humor, com depressão de longo prazo e hipomania de curto prazo; retirada / descontinuação pode ser acompanhada de depressão. Os efeitos dos EASs sobre o comportamento de ansiedade não são claros e os estudos são inconsistentes. Os EASs também estão ligados ao comportamento psicótico. As características psicológicas que podem levar os atletas a usar os eASs não foram elucidadas.

Título:

Anabolic androgenic steroids and carcinogenicity focusing on Leydig cell: a literature review

Esteroides androgênicos anabolizantes e carcinogenicidade com enfoque na célula de Leydig: revisão da literatura.

Oncotarget. 2018 Apr 10;9(27):19415-19426. doi: 10.18632/oncotarget.24767. eCollection 2018 Apr 10.

Fonte:  http://www.oncotarget.com/index.php?journal=oncotarget&page=article&op=view&path%5b%5d=24767&path%5b%5d=77673

Resumo: Este artigo de revisão avalia a carcinogenicidade dos esteroides anabolizantes com enfoque no tumor de células de Leydig.

Título:

Androgen abuse epidemiology

Epidemiologia do abuso de andrógenos

Current Opinion in Endocrinology Diabetes and Obesity 25(3):185–194 · June 2018 

DOI:10.1097/MED.0000000000000403

Fonte: https://www.researchgate.net/publication/317264464_Androgen_abuse_epidemiology

Objetivo do artigo: revisar sistematicamente a literatura epidemiológica atual sobre abuso de andrógenos. Estimativas de 32 artigos epidemiológicos empíricos foram revisadas. ---- Achados recentes: Geralmente, a epidemiologia e prevalência de abuso de andrógenos é maior na Europa, Oriente Médio, América do Norte (EUA), Oceania (Austrália e Nova Zelândia) e América do Sul (Brasil) e menor na África e Ásia . Em contraste com a população em geral, a epidemiologia de abuso de andrógenos e a prevalência são maiores entre atletas, usuários de drogas injetáveis, esportistas recreativos e minorias sexuais e de gênero. ---- Resumo: A partir da década de 1970, o abuso de andrógenos se espalhou dos atletas para a população em geral. Consistente com evidências anteriores, estudos revisados ​​sugerem que a epidemiologia e a prevalência de abuso de andrógenos são mais altas em contextos culturais ocidentais, no Oriente Médio e na América do Sul (Brasil) e menores na África e na Ásia. Evidências também corroboram indicações de que o abuso de andrógenos é menos prevalente entre mulheres (vs. homens) e na população geral, em contraste com subpopulações específicas que consistem em atletas, usuários de drogas injetáveis, esportistas recreativos e minorias sexuais e de gênero. O abuso de andrógenos por adolescentes deve ser uma preocupação especial. O abuso de andrógenos em algumas ocupações não esportivas (por exemplo, trabalhadores de segurança) requer maior exploração. A polifarmácia e a proliferação da Internet de andrógenos e outras PIEDs requerem vigilância para prevenção e redução de danos.

Título:

Male central hypogonadism secondary to exogenous androgens: a review of the drugs and protocols highlighted by the online community of users for prevention and/or mitigation of adverse effects

Hipogonadismo central masculino secundário a androgênios exógenos: uma revisão das drogas e protocolos destacados pela comunidade online de usuários para prevenção e / ou atenuação de efeitos adversos.

doi: 10.1111 / cen.12641. Epub 2014, 17 de dezembro.

Fonte: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/cen.12641

Resumo: Hipogonadismo induzido por esteróides androgênicos ou anabolizantes (ASIH) não está mais confinado a atletas profissionais; sua prevalência entre homens jovens e adolescentes que usam andrógenos e / ou esteróides anabolizantes (EAAs) está aumentando rapidamente e os afetados podem apresentar sintomas significativos. Os médicos estão encontrando cada vez mais homens exigentes e bem informados afetados pela ASIH, mas a falta de informações substanciais  sobre o assunto impede uma mensagem confiável. Neste artigo, nós revisamos os métodos e drogas que os homens usam para evitar o ASIH (com o intuito de prevenir seu início ou revertê-lo depois que ele se desenvolveu) e resumir as evidências científicas que os sustentam. O principal canal para obter esses medicamentos é a Internet, onde eles podem ser facilmente obtidos sem uma receita válida. Uma pesquisa na Internet usando termos relevantes revelou um grande número de sites oferecendo conselhos sobre como comprar e usar produtos para combater o ASIH. As drogas que surgiram repetidamente em nossa pesquisa incluíram gonadotrofina coriônica humana (hCG), moduladores seletivos do receptor de estrogênio (SERMs) e inibidores da aromatase (AIs). A qualidade e precisão das informações on-line foram variáveis, mas a revisão da literatura médica também destacou a falta de dados científicos para orientar a prática clínica. É importante que os clínicos estejam cientes das estratégias de autotratamento do usuário do AAS com relação à atenuação do efeito colateral da ASIH. Ao garantir que eles estejam bem informados, os médicos são mais propensos a manter a credibilidade e a confiança dos usuários do AAS, que, por sua vez, provavelmente estarão mais abertos para se envolver com o gerenciamento adequado.

Título:

Prolonged hypogonadism in males following withdrawal from anabolic-androgenic steroids: an under-recognized problem

Hipogonadismo prolongado em homens após suspensão de esteróides androgênicos anabólicos: um problema pouco reconhecido.

doi: 10.1111 / add.12850. Epub 2015 25 de fevereiro.

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4398624/

 

Resumo:

OBJETIVOS: Avaliar a freqüência e a gravidade dos sintomas de hipogonadismo em usuários abusivos de esteroides anabolizantes androgênicos (AAS) a longo prazo do sexo masculino que interromperam o uso de EAA.

PARTICIPANTES: Vinte e quatro ex-usuários de AAS de longo prazo do sexo masculino e 36 levantadores de peso não usuários de AAS, recrutados por anúncios em Massachusetts, EUA. Cinco dos ex-usuários estavam atualmente recebendo tratamento com reposição fisiológica de testosterona, deixando 19 usuários não tratados para as comparações numéricas abaixo.

MEDIÇÕES: A Entrevista Clínica Estruturada para o DSM-IV, questões relacionadas à história de uso de EAA, exame físico, determinações de hormônios séricos e o Índice Internacional de Função Erétil (IIEF).

DADOS: Comparados com os 36 halterofilistas não-AAS, os 19 usuários de AAS não tratados apresentaram volumes testiculares significativamente menores [diferença estimada, intervalo de confiança de 95% (CI) = 2,3 (0,1, 4,5) ml; P = 0,042] e menores níveis séricos de testosterona [diferença estimada: IC 95% = 131 (25, 227) dl; P = 0,009], com cinco usuários mostrando níveis de testosterona abaixo de 200 ng / dl, apesar da abstinência de AAS por 3-26 meses. Ex-usuários não tratados também apresentaram escores significativamente menores na subescala de desejo sexual IIEF [diferença estimada: IC 95% = 2,4 (1,3, 3,4) pontos em uma escala de 10 pontos; P <0,001]. No grupo geral de 24 ex-usuários tratados e não tratados, sete (29%) tiveram episódios depressivos maiores durante a retirada do AAS; quatro deles não haviam experimentado episódios depressivos maiores em nenhum outro momento. Dois homens (8%) não conseguiram recuperar a função libidinal ou erétil normal, apesar do tratamento adequado com reposição de testosterona.

CONCLUSÕES: Entre os usuários abusivos de esteroides anabólicos androgênicos de longo prazo, o hipogonadismo anabólico androgênico de abstinência de esteroides parece ser comum, freqüentemente prolongado e associado a uma morbidade substancial.

Título:

Synthetic Androgens as Designer Supplements

Andrógenos Sintéticos como Suplementos de Designer

doi: 10.2174/1570159X13666141210224756

Fonte: http://www.eurekaselect.com/126868/article 

Resumo: Esteróides anabólicos androgênicos (AAS) são alguns dos desempenhos mais comuns intensificando drogas (PED) entre a sociedade. Apesar do amplo espectro de efeitos adversos e consequências, os EAA são comercializados e distribuídos de forma ilícita em muitos países. Para contornar leis, a estrutura química do AAS é modificada e estes esteróides de marca são vendidos como suplementos principalmente pela Internet. Vários efeitos colaterais estão relacionados ao abuso de AAS. Apenas pouco é conhecido sobre os efeitos farmacológicos e metabolismo de esteróides não aprovados devido à ausência de estudos clínicos. O grande número de descobertas de esteróides de designer em suplementos dietéticos e detecção de novos compostos combinados com brechas legais para sua distribuição em muitos países mostram que são necessários regulamentos mais rigorosos e uma melhor política de informação.

Artigos de acesso restrito:

Título:

Use and Abuse of Anabolic Hormones: Androgens and Beyond.

Uso e abuso de hormônios anabólicos: andrógenos e outros.

Basaria S. Molecular and Cellular Endocrinology. 2018;464:1-88.

Fonte: https://www.sciencedirect.com/journal/molecular-and-cellular-endocrinology/vol/464/suppl/C

Artigo de acesso restrito

Reumo: Edição especial da revista, com uma ampla abordagem do tema esteroides anabolizantes e similares, incluindo GH e eritropoetina.

Título:

Androgen abuse epidemiology.

Epidemiologia do abuso de andrógenos.

Sagoe DPallesen SCurr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2018;25(3):185-194. doi: 10.1097/MED.0000000000000403.

Fonte: https://journals.lww.com/co-endocrinology/Abstract/2018/06000/Androgen_abuse_epidemiology.7.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: A partir da década de 1970, o abuso de andrógenos se espalhou dos atletas para a população em geral. Consistente com evidências anteriores, estudos revisados sugerem que a epidemiologia e a prevalência de abuso de andrógenos são mais altas em contextos culturais ocidentais, no Oriente Médio e na América do Sul (Brasil) e menores na África e na Ásia. Evidências também corroboram indicações de que o abuso de andrógenos é menos prevalente entre mulheres (vs. homens) e na população geral, em contraste com subpopulações específicas que consistem em atletas, usuários de drogas injetáveis, esportistas recreativos e minorias sexuais e de gênero. O abuso de andrógenos por adolescentes deve ser uma preocupação especial. O abuso de andrógenos em algumas ocupações não esportivas (por exemplo, trabalhadores de segurança) requer maior exploração. A polifarmácia e a proliferação na Internet de andrógenos e similares requerem vigilância para prevenção e redução de danos.

Título:

Recovery of reproductive function following androgen abuse

Recuperação da função reprodutiva após o abuso de androgênios.

Christou MA, Tigas S. Current Opinion in Endocrinology & Diabetes and Obesity.2018; 25(3):195–200. doi: 10.1097/MED.0000000000000406

Fonte: https://journals.lww.com/co-endocrinology/Abstract/2018/06000/Recovery_of_reproductive_function_following.8.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: O abuso de androgênios leva a um estado de hipogonadismo hipogonadotrófico associado à espermatogênese prejudicada, atrofia testicular, ginecomastia, além de irregularidades menstruais, virilização e subfertilidade. A recuperação do eixo hipotálamo-hipófise-gonadal após a retirada androgênica depende do tipo e das características da administração de androgênio (dose, duração de uso), bem como as do usuário (idade, função reprodutiva anterior). As características bioquímicas e clínicas do hipogonadismo podem ser evidentes meses ou até anos após a interrupção do androgênio. Para evitar efeitos adversos relacionados ao andrógeno e acelerar a recuperação da função gonadal, os usuários tomam andrógenos de forma cíclica e usam drogas como gonadotrofina coriônica humana, antiestrogênios e inibidores da aromatase, embora haja evidências limitadas para apoiar a eficácia dessas estratégias. Como poucos estudos se referem a usuários de andrógenos femininos, há uma falta de dados sobre a recuperação dos efeitos colaterais reprodutivos relacionados ao andrógeno em mulheres. O abuso de andrógenos tem efeitos profundos e comumente sub-reconhecidos no sistema reprodutivo; a recuperação após a retirada androgênica pode ser prolongada e ocasionalmente incompleta.

Título:

Androgen Abuse and Increased Cardiac Risk.

Abuso de androgênios e risco cardiovascular aumentado.

Higgins JP, Heshmat A, Higgins CL. Southern Medical Journal. 2012;105(12):670–674. doi: 10.1097/SMJ.0b013e3182749269.

Fonte: http://sma.org/southern-medical-journal/article/androgen-abuse-and-increased-cardiac-risk/

Artigo de acesso restrito.

Resumo: Esteróides anabólicos androgênicos estão associados a efeitos diretos como hipertrofia do músculo cardíaco e fibrose miocárdica e efeitos indiretos, incluindo dislipidemia, hipertensão, arritmia e infarto do miocárdio. É provável que a exposição crônica a esses agentes possa resultar em alterações significativas no sistema cardiovascular, e sua segurança ainda não foi totalmente estabelecida.

Título:

A systematic review investigating the behaviour change strategies in interventions to prevent misuse of anabolic steroids.

Uma revisão sistemática investigando as estratégias de mudança de comportamento em intervenções para evitar o uso indevido de esteroides anabolizantes.

Bates G, Begley E, Tod D, Jones D, Leavey C, McVeigh J. Journal of Health Psychology. 2017;1-18. doi.org/10.1177/1359105317737607

Fonte: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1359105317737607?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori%3Arid%3Acrossref.org&rfr_dat=cr_pub%3Dpubmed&

Artigo de acesso restrito.

Resumo: Esta revisão destaca que, apesar do aumento na pesquisa em torno dos esteroides anabolizantes e similares nas últimas três décadas e do aumento substancial no uso dessas substâncias fora do esporte profissional, há poucas evidências sobre como reduzir o uso. Uma abordagem mais consistente e rigorosa do desenvolvimento e relato de intervenções, com referência às ferramentas e orientações desenvolvidas na última década no campo da ciência da mudança de comportamento, é necessária para estabelecer a base de evidências nessa área.

Título:

Detection of anabolic androgenic steroid use by elite athletes and by members of the general public.

Detecção do uso de esteroides anabólicos androgênicos por atletas de elite e por membros do público em geral.

Anawalt, Bradley D.Detection of anabolic androgenic steroid use by elite athletes and by members of the general public.Mol Cell Endocrinol. 2018;464:21-27. doi: 10.1016/j.mce.2017.09.027.

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0303720717305129?via%3Dihub

Artigo de acesso restrito.

Resumo: Como as competições esportivas nacionais e internacionais são fontes de orgulho da comunidade e receita financeira, tem havido grandes esforços para prevenir e detectar o uso de drogas que melhoram o desempenho, como os esteróides anabólicos androgênicos por atletas de elite. A Agência Mundial Antidopagem e suas agências antidoping afiliadas nacionais criaram sofisticados sistemas de monitoramento e técnicas avançadas de testes para detectar o uso de substâncias proibidas, incluindo esteróides androgênicos anabólicos, por participantes em competições esportivas internacionais e nacionais.

A criação de um programa de monitoramento longitudinal conhecido como passaporte biológico é um desenvolvimento recente e importante nos esforços para prevenir e detectar o uso de drogas e métodos proibitivos para melhorar o desempenho. O programa de passaporte biológico consiste na medição de marcadores urinários e sanguíneos do uso de esteróides anabólicos androgênicos (e outras drogas ou métodos proibidos) no início e em momentos aleatórios. Além disso, alguns membros do público em geral usam esteróides androgênicos anabolizantes por várias razões, inclusive para melhorar a aparência física ou melhorar o desempenho no atletismo.

Esforços eficazes para reduzir o uso exigirão diminuir a facilidade de acesso a eles, avanços contínuos em técnicas de laboratório, mais pesquisas sobre seus efeitos e educação efetiva do público em geral sobre os efeitos adversos conhecidos e potenciais à saúde. Mais importante ainda, haverá necessidade de uma mudança da atual adulação social para o desempenho atlético e a aparência muscular.

Título:

Aggression Is Associated With Increased Anabolic–Androgenic Steroid Use Contemplation Among Adolescents.

Agressão está associada ao aumento da contemplação de uso de esteróides anabólicos e androgênicos entre adolescentes.

Sagoe DMentzoni RAHanss DPallesen S.Subst Use Misuse. 2016;51(11):1462-9. doi: 10.1080/10826084.2016.

Fonte: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/10826084.2016.1186696

 

Artigo de acesso restrito.

Resumo: O artigo analisa a relação entre agressão e intenção de uso de esteroides anabolizantes (EA) entre adolescentes. Uma amostra nacionalmente representativa de jovens de 18 anos noruegueses (N = 1.334, mulheres = 58,7%) participou da pesquisa. Em comparação com pessoas não agressivas, os indivíduos com alta agressividade eram mais propensos a relatar intenção e curiosidade em relação ao início do uso de AAS. Os achados indicam que a agressividade é um fator de risco para a contemplação do uso de EA entre adolescentes.

Título:

The Central Effects of Androgenic-anabolic Steroid Use.

Os efeitos centrais do uso de esteroides androgêncos anabolizantes.

 Mędraś MBrona AJóźków PJ Addict Med. 2018;12(3):184-192. doi: 10.1097/ADM.0000000000000395

Fonte: https://journals.lww.com/journaladdictionmedicine/Abstract/2018/06000/The_Central_Effects_of_Androgenic_anabolic_Steroid.3.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: Milhões de homens usam esteroides androgênicos anabolizantes (AAS) para estimular o crescimento muscular e melhorar a aparência física. Embora uma em cada três pessoas que usa esteróides anabolizantes androgênicos desenvolva um distúrbio de uso de esteróides, os efeitos das drogas no sistema nervoso central e na psique ainda não são bem compreendidos. Embora a maioria das substâncias viciantes melhore o humor imediatamente após a administração, o AAS exerce efeitos eufóricos menos pronunciados. A retirada dos AAS pode levar a uma série de sintomas somáticos e psiquiátricos e, em muitos casos, é necessário um tratamento abrangente supervisionado por um endocrinologista e um psiquiatra.

Título:

Public health impact of androgens.

Impacto dos Andrógenos na Saúde Pública.

Kanayama GKaufman MJPope HG JrCurr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2018 Jun;25(3):218-223. doi: 10.1097/MED.0000000000000404.

Fonte: https://journals.lww.com/co-endocrinology/Abstract/2018/06000/Public_health_impact_of_androgens.11.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: O abuso de andrógenos (também chamado de "esteróides anabólicos androgênicos") tornou-se um grande problema mundial de abuso de substâncias envolvendo dezenas de milhões de indivíduos, dos quais cerca de 98% são homens. A maioria dos usuários de andrógenos ainda tem menos de 50 anos e, assim, os efeitos a longo prazo dessas drogas estão apenas começando a ser compreendidos. Estudos recentes confirmam que a exposição supra-fisiológica a longo prazo dos andrógenos produz toxicidade cardiovascular, caracterizada especialmente por cardiomiopatia e doença aterosclerótica. Retirada de andrógenos após o uso a longo prazo pode produzir hipogonadismo prolongado e às vezes irreversível em homens. Os níveis supra-fisiológicos de andrógenos podem às vezes causar irritabilidade, agressividade e violência, enquanto a abstinência de andrógenos pode causar depressão. No entanto, esses efeitos psiquiátricos são idiossincráticos, afetando apenas uma minoria de usuários. Evidências emergentes agora também sugerem que a exposição a longo prazo aos andrógenos pode causar neurotoxicidade, aumentando a possibilidade de que usuários idosos de andrógenos possam estar sob maior risco de demência. Vários estudos recentes também descreveram hepatotoxicidade induzida por andrógeno, nefrotoxicidade e efeitos musculoesqueléticos adversos. À medida que um número crescente de usuários de andrógenos atinge a meia-idade, esses efeitos provavelmente representarão um problema emergente de saúde pública.

Título:

Anabolic Steroid Effect on the Liver.

Efeito do esteroide anabolizante no fígado.

Niedfeldt MW. Curr Sports Med Rep. 2018;17(3):97-102. doi: 10.1249/JSR.0000000000000467.

Fonte: https://journals.lww.com/acsm-csmr/Abstract/2018/03000/Anabolic_Steroid_Effect_on_the_Liver.8.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: A modificação da 17-α-alquilação permite que os esteróides sejam tomados por via oral, mas a depuração mais lenta no fígado os torna mais hepatotóxicos. A frequência e a gravidade dos efeitos colaterais dependem de vários fatores, incluindo a formulação do medicamento, a via de administração, a dosagem, a duração do uso e a sensibilidade e resposta individuais. Os usuários de esteróides anabolizantes tendem a tomar doses suprafisiológicas ou múltiplos esteróides e outras drogas simultaneamente, o que aumenta o risco de efeitos adversos. A hepatotoxicidade pode ser vista como transaminases hepáticas elevadas, síndrome colestática aguda, lesão vascular crônica, tumores hepáticos e doença hepática gordurosa associada a agentes tóxicos, bem como alterações significativas nas lipoproteínas. Muitas dessas mudanças irão estabilizar ou reverter com a cessação do uso de esteróides, mas algumas podem ser fatais. Os suplementos vendidos sem prescrição médica podem ser contaminados com esteróides anabolizantes, causando hepatotoxicidade em consumidores desavisados.

Título:

Patterns of testosterone prescription overuse.

Padrões de uso excessivo de prescrição de testosterona.

Jasuja GKBhasin SRose AJCurr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2017 Jun;24(3):240-245. doi: 10.1097/MED.0000000000000336.

Fonte: https://journals.lww.com/co-endocrinology/Abstract/2017/06000/Patterns_of_testosterone_prescription_overuse.12.aspx

Artigo de acesso restrito.

Resumo: Houve um aumento na prescrição de terapia com testosterona na última década. Existe a preocupação de que pelo menos parte desse aumento seja impulsionada pela publicidade, e não pela prática médica correta. O objetivo desta revisão é resumir as tendências recentes na prescrição de testosterona e examinar se a testosterona está sendo adequadamente prescrita de acordo com as diretrizes. Esta prescrição aumentada foi acompanhada de um aumento geral nos testes dos níveis de testosterona, prescrição de testosterona sem a avaliação diagnóstica apropriada recomendada pelas diretrizes de prática clínica e uso aparente desta terapia para condições médicas não comprovadas.

Título:

Performance-enhancing drugs: understanding the risks.

Drogas para melhorar o desempenho: entendendo os riscos.

Phys Med Rehabil Clin N Am. 2014 nov; 25 (4): 897-913. doi: 10.1016 / j.pmr.2014.06.013. Epub 2014 Ago 15.

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S104796511400062X?via%3Dihub

Resumo: Para ajudar os clínicos a entender os riscos associados aos medicamentos que melhoram o desempenho, esta visão geral abrange listas proibidas de substâncias e métodos, isenções de uso terapêutico, indicações legítimas e efeitos adversos, inclusive para dopagem com megadose e polifarmácia de estimulantes, esteróides anabolizantes, agentes estimuladores da eritropoiese e hormônio do crescimento e maneiras pelas quais os médicos ou pacientes correm o risco de cometer violações das regras antidoping inadvertidamente.

Título:

Impact of single-dose nandrolone decanoate on gonadotropins, blood lipids and HMG CoA reductase in healthy men

Impacto do decanoato de nandrolona em dose única em gonadotrofinas, lipídios sangüíneos e HMG CoA redutase em homens saudáveis.

doi: 10.1111 / and.12488. Epub 2015 15 de setembro.

Fonte: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/and.12488

Resumo: O objetivo foi estudar o efeito e o perfil temporal de uma dose única de decanoato de nandrolona (ND) em gonadotrofinas, lipídios sangüíneos e HMG CoA redutase [3-hidroxi-3-metil-glutaril-CoA redutase (HMGCR)] em homens saudáveis. Onze participantes saudáveis ​​do sexo masculino com idade entre 29-46 anos receberam uma dose única de 150 mg ND como uma dose intramuscular de Deca Durabol®, Organon. Amostras de sangue para análise de hormônios sexuais, lipídios e RNAm de HMGCR foram coletadas antes do dia 0, 4 e 14 da administração de ND. Uma significativa supressão do hormônio luteinizante (LH) e do hormônio folículo estimulante (FSH) foi observada após 4 dias. A testosterona total e o nível de testosterona biodisponível diminuíram significativamente ao longo do período de estudo observado. Uma diminuição pequena, mas significativa, na globulina de ligação a hormônios sexuais (SHBG) foi observada após 4 dias, mas não após 14 dias. O colesterol sérico total (S) -colesterol e o plasma (P) -apolipoproteína B (ApoB) aumentaram significativamente após 14 dias. Em 80% dos indivíduos, o nível de RNAm de HMGCR foi aumentado 4 dias após a administração do ND. Nossos resultados mostram que uma dose única de 150 mg de ND aumenta (1) a expressão de RNAm de HMGCR, (2) o colesterol total e (3) o nível de P-ApoB. As consequências a longo prazo sobre o risco cardiovascular que podem aparecer nos usuários ainda precisam ser elucidadas.

Título:

Nephrocalcinosis associated with the use of anabolic steroid

Nefrocalcinose associada ao uso de esteroide anabolizante

Luchi, Machado W, et al. Jornal Brasileiro de Nefrologia(2015),37(1)

Fonte: http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20150020

Resumo: Os esteroides anabolizantes têm sido usados como arma terapêutica em diversas condições clínicas. Entretanto, o uso abusivo e indiscriminado, associado a outros suplementos nutricionais, tem gerado efeitos adversos graves. 

Relato do Caso: Sexo masculino, 21 anos, admitido com náuseas, astenia, hiporexia, cefaleia e hipertensão arterial. Exames no sangue evidenciaram Cr: 3,9 mg/dl U:100 mg/dl e Cálcio total 14 mg/dl. Ultrassonografia e biópsia renal compatíveis com nefrocalcinose. Houve melhora gradativa da função renal e da calcemia após hidratação vigorosa e furosemida. Entretanto, após 1 ano, persistiram depósitos renais de cálcio e relação córticomedular reduzida ao ultrassom e creatinina estável em 1,4 mg/dl. Casos anteriores evidenciaram necrose tubular aguda e nefrite intersticial com poucos depósitos de cálcio no interstício renal. Nesse caso, encontramos nefrocalcinose acentuada associada à nefroesclerose. O objetivo deste estudo é relatar a ocorrência de injúria renal aguda com nefrocalcinose associada ao uso de esteroide anabolizante e oferecer uma revisão do assunto. 

Título:

Anabolic steroid induced hypogonadism in young men

Hipogonadismo induzido por esteróides anabolizantes em homens jovens.

doi: 10.1016 / j.juro.2013.06.010. Epub 2013 jun 11

Fonte: https://www.jurology.com/article/S0022-5347(13)04580-1/fulltext

Resumo: OBJETIVO – O uso de esteróides androgênicos anabólicos não tem sido tradicionalmente discutido na medicina convencional. Com o aumento do diagnóstico de hipogonadismo, uma população heterogênea de homens está sendo avaliada. Nesta população maior de pacientes, a existência de hipogonadismo induzido por esteróides anabolizantes, transitórios ou permanentes, deve ser considerada agora.

MATERIAIS E MÉTODOS – Foi realizada uma análise retrospectiva inicial do banco de dados de todos os 6.033 pacientes que procuraram tratamento para o hipogonadismo de 2005 a 2010. Uma pesquisa anônima foi posteriormente distribuída em 2012 para pacientes estabelecidos submetidos à terapia de reposição de testosterona.

RESULTADOS – Hipogonadismo severo, definido como testosterona igual ou inferior a 50 ng/dl  foi identificado em 97 homens (1,6%) na grande coorte retrospectiva inicialmente revisada. A etiologia mais comum foi a exposição prévia a esteróides anabólicos androgênicos, que foi identificada em 42 homens (43%). Devido a esses dados surpreendentes, realizamos uma pesquisa de acompanhamento anônima de nossa atual população hipogonadal de 382 homens com média ± DP de idade de 49,2 ± 13,0 anos. Identificamos 80 pacientes (20,9%), com idade média de 40,4 ± 8,4 anos com exposição prévia a esteróides anabólicos androgênicos. Homens com hipogonadismo com idade inferior a 50 anos apresentaram probabilidade 10 vezes maior de apresentar exposição prévia a esteroides androgênicos anabólicos do que os homens com mais de 50 anos (OR 10,16, IC95% 4,90-21,08). O uso prévio de esteróides anabólicos androgênicos correlacionou-se significativamente negativamente com o nível de escolaridade (ρ = -0,160, p = 0,002) e o número de filhos (ρ = -0,281, p <0,0001).

CONCLUSÕES – O uso prévio de esteróides anabólicos androgênicos é comum em homens jovens que procuram tratamento para hipogonadismo sintomático e o hipogonadismo induzido por esteróides anabolizantes é a etiologia mais comum de hipogonadismo severo. Esses achados sugerem que é necessário atualizar a abordagem daavaliação e tratamento em jovens hipogonádicos.

Título:

Do anabolic-androgenic steroids have performance-enhancing effects in female athletes?

Os esteróides anabólicos androgênicos têm efeitos de melhoria de desempenho em atletas do sexo feminino?

doi: 10.1016/j.mce.2017.07.010

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0303720717303647?via%3Dihub

Resumo: A dopagem com esteróides anabólicos androgênicos (EAA) é comum entre atletas masculinos e femininos e é um problema crescente de saúde pública. A revisão de dados históricos de programas sistemáticos de doping patrocinados pelo Estado implementados pela República Democrática Alemã em atletas de elite e de ensaios clínicos de administração de testosterona em mulheres não atletas sugere que os EAA têm efeitos ergogênicos nas mulheres. O uso de EAA em atletas do sexo feminino tem sido associado a efeitos adversos que incluem acne, hirsutismo, aprofundamento da voz e distúrbios menstruais; efeitos adversos potencialmente fatais, como arritmias cardíacas e morte súbita, também foram relatados. Portanto, a detecção de abuso de EAA em atletas do sexo feminino é importante para garantir a equidade na competição; ao mesmo tempo, os atletas devem ser educados em relação às conseqüências adversas do uso de EAA. Embora a administração de andrógenos exógenos tenha sido associada a efeitos ergogênicos, ainda não está claro se o hiperandrogenismo endógeno observado em algumas condições médicas, como distúrbios do desenvolvimento sexual (DSD), hiperplasia adrenal congênita e síndrome dos ovários policísticos, confere alguma vantagem competitiva. Estudos bem desenhados são necessários para determinar os efeitos do hiperandrogenismo endógeno no desempenho atlético em atletas do sexo feminino.

Título:

History and epidemiology of anabolic androgens in athletes and non-athletes

História e epidemiologia dos andrógenos anabólicos em atletas e não atletas

doi: 10.1016/j.mce.2017.02.039

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0303720717301521?via%3Dihub

Resumo: O uso de andrógenos, frequentemente referido como esteróides androgênicos anabólicos (AAS), tornou-se um problema mundial de abuso de substâncias nas últimas décadas. A testosterona foi isolada na década de 1930, e numerosos andrógenos sintéticos foram rapidamente desenvolvidos a partir de então. Os atletas logo descobriram os efeitos anabólicos dramáticos desses hormônios, e os AAS se espalharam rapidamente através da elite do atletismo e do culturismo desde a década de 1950 até a década de 1970. No entanto, não foi até a década de 1980 que o uso generalizado de AAS emergiu do mundo esportivo de elite  para a população em geral. Hoje, a grande maioria dos usuários de EAA não são atletas competitivos, mas são tipicamente jovens a homens de meia-idade que usam esses medicamentos principalmente para aparência pessoal. O abuso de AAS tornou-se particularmente prevalente em regiões como a Escandinávia, Estados Unidos, Brasil e países da Comunidade Britânica, mas permanece raro em países como China, Coréia e Japão - um padrão que reflete diferenças culturais em atitudes em relação à muscularidade masculina.